jovens-mulheres-trabalhar copyA pandemia de COVID-19 veio pôr em evidência o quão difícil é para muitos jovens entrar no mercado de trabalho. Há que atuar rapidamente. A Comissão adotou medidas para dar aos jovens todas as oportunidades possíveis que lhes permitam tirar o máximo partido do seu potencial para configurar o futuro da UE e prosperar nas transições ecológica e digital.

A Comissão tem agora a oportunidade de integrar as transições ecológica e digital no ADN das políticas de juventude e emprego da UE.

No âmbito do instrumento NextGenerationEU e do futuro orçamento da UE, a Comissão já apresentou oportunidades significativas de financiamento da UE em prol do emprego dos jovens. Cabe agora aos Estados-Membros dar prioridade a estes investimentos. Pelo menos 22 mil milhões de euros devem ser utilizados para apoiar o emprego dos jovens.

Apoio ao emprego dos jovens: uma ponte para o emprego da próxima geração
O pacote de apoio ao emprego dos jovens articula-se em torno de quatro vertentes que, em conjunto, representam uma ponte para o emprego da próxima geração:

  • A UE criou a Garantia para a Juventude em 2013 e, desde então, construiu pontes para o mercado de trabalho para cerca de 24 milhões de jovens. A proposta de recomendação do Conselho relativa a uma ponte para o emprego reforça a Garantia para a Juventude e estende o seu alcance aos jovens vulneráveis em toda a UE, abrangendo agora as pessoas com idades compreendidas entre 15 e 29 anos. A recomendação mantém igualmente o compromisso de proporcionar aos jovens que aderem à Garantia para a Juventude uma oferta de emprego, educação, aprendizagem ou formação no prazo de quatro meses. A ponte para o emprego aumentará a inclusão para evitar qualquer forma de discriminação, com um âmbito alargado a grupos mais vulneráveis, como os jovens de minorias raciais e étnicas, os jovens com deficiência ou os que vivem em determinadas zonas rurais, remotas ou urbanas desfavorecidas. Visa responder às necessidades das empresas, proporcionando as competências necessárias – sobretudo as relativas às transições ecológica e digital – e cursos preparatórios de curta duração e facultará ainda serviços de aconselhamento, orientação e mentoria personalizados.
  • A proposta da Comissão de uma recomendação do Conselho sobre o ensino e a formação profissionais tem por objetivo modernizar os sistemas, para que sejam mais atrativos e flexíveis e melhor se adaptem à economia digital e ecológica. Um ensino e formação profissionais mais flexíveis e centrados no formando permitirão preparar os jovens para os seus primeiros empregos e proporcionar aos adultos oportunidades de melhorar as respetivas carreiras. A proposta auxiliará os prestadores de ensino e formação profissionais a tornarem-se centros de excelência profissional, apoiando ao mesmo tempo a diversidade e a inclusão.
  • O novo impulso aos programas de aprendizagem será benéfico quer para os empregadores quer para os jovens, pois trará mão de obra qualificada a uma vasta gama de setores. A Aliança Europeia para a Aprendizagem já disponibilizou mais de 900 000 oportunidades. A Aliança renovada promoverá coligações nacionais, apoiará as PME e reforçará a participação dos parceiros sociais: sindicatos e organizações patronais. O objetivo é manter atualmente as ofertas de aprendizagem, já que os aprendizes que hoje formamos serão trabalhadores altamente qualificados dentro de alguns anos.
  • Entre as medidas adicionais de apoio ao emprego dos jovens contam-se, a curto prazo, os incentivos ao emprego e ao arranque de novas empresas e, a médio prazo, o reforço das capacidades, as redes de jovens empresários e os centros de formação interempresas.

A Comissão Europeia insta os Estados-Membros a intensificarem o seu apoio ao emprego dos jovens recorrendo aos fundos substanciais disponibilizados no quadro do instrumento NextGenerationEU e do futuro orçamento da UE.

Por exemplo, a UE pode ajudar a financiar:

  • Subvenções à criação de empresas e empréstimos para jovens empresários, programas de mentoria e incubadoras de empresas
  • Gratificações para as PME que recrutem aprendizes
  • Sessões de formação para a aquisição de novas competências necessárias no mercado de trabalho
  • Reforço das capacidades dos serviços públicos de emprego
  • Formação em gestão de carreira no ensino formal
  • Investimentos em infraestruturas e tecnologias de aprendizagem digital
Ligações úteis:

Para mais informações:

https://ec.europa.eu/portugal/news/youth-employment-support-bridge-jobs-next-generation_pt

Share