logo_ptA Comissão Europeia lançou hoje o seu projeto de referência para desbloquear financiamento destinado às empresas da Europa e a estimular o crescimento dos 28 Estados-Membros da UE, através da criação de um verdadeiro mercado único de capitais.

A União dos Mercados de Capitais visa eliminar as barreiras que bloqueiam os investimentos transfronteiras na UE e que impedem as empresas de terem acesso ao financiamento. O atual contexto é difícil para as empresas que permanecem fortemente dependentes dos bancos e relativamente menos dependentes dos mercados de capitais. O oposto acontece noutras partes do mundo. Um exemplo das possibilidades que um mercado único de capitais plenamente operacional poderia oferecer: se os mercados de capital de risco da UE fossem tão profundos como os dos EUA, um montante adicional de 90 mil milhões de EUR de fundos teria estado à disposição das empresas entre 2008 e 2013.

Com a União dos Mercados de Capitais, a Comissão pretende também eliminar os obstáculos que impedem que as empresas que necessitam de financiamento cheguem aos investidores e tornar o sistema de canalização dos fundos — a cadeia de investimento — tão eficiente quanto possível.

Na quarta-feira, a Comissão lançou uma ronda de consultas de três meses, conhecida como Livro Verde, cujas conclusões irão definir um Plano de Ação destinado a desbloquear o financiamento não bancário para que as empresas em fase de arranque possam prosperar e as empresas de maior dimensão possam expandir-se ainda mais. A União dos Mercados de Capitais é um projeto de longo prazo que exigirá esforços sustentados ao longo de vários anos, embora possam também ser realizados progressos rápidos em alguns domínios nos próximos meses.

O Vice-Presidente da Comissão Europeia, Jyrki Katainen, responsável pelo Emprego, Crescimento, Investimento e Competitividade, afirmou: «A União dos Mercados de Capitais é a primeira iniciativa estrutural que a Comissão apresenta no âmbito do plano de investimento. Irá contribuir para assegurar que o plano de investimento seja mais do que um impulso pontual e tenha um impacto positivo duradouro em termos de condições económicas na Europa.»

«É clara a direção que temos de seguir: criar um mercado único de capitais da base para o topo, identificando os obstáculos e eliminando-os um a um. A União dos Mercados de Capitais tem por objetivo o desbloqueamento da liquidez, que é abundante, mas que está atualmente congelada, colocando-a ao serviço das empresas europeias e, em especial, das PME», declarou o Comissário Europeu Jonathan Hill, responsável pela Estabilidade Financeira, Serviços Financeiros e União dos Mercados de Capitais. «A livre circulação dos capitais foi um dos princípios fundamentais subjacentes à construção da UE. Mais de cinquenta anos após a assinatura do Tratado de Roma, aproveitemos esta oportunidade para transformar essa visão em realidade.»

Para mais informações:

http://europa.eu/rapid/press-release_IP-15-4433_pt.pdf

Share