#GasteMenosEmEnergia é uma iniciativa de sensibilização levada a cabo pela Comissão Europeia em Portugal e em outros três países Europeus que visa proporcionar conselhos práticos e fáceis de poupança para cortar na fatura de energia.

Com o tempo frio, é importante assegurar que as casas estão preparadas para as baixas temperaturas, garantindo que continuam quentes e secas. Melhorar a eficiência energética em casa é a melhor forma de poupar na fatura de energia, melhorando as condições de vida e o conforto. A iniciativa de sensibilização #GasteMenosEmEnergia, levada a cabo pela Comissão Europeia em Portugal e em outros três países europeus, visa proporcionar conselhos práticos e fáceis de poupança para cortar na fatura de energia.

As medidas necessárias para melhorar a eficiência energética e começar a poupar são simples e de fácil implementação. As sugestões de poupança doméstica incluem:

  1. Para melhorar o conforto em casa, pode abrir as cortinas durante o dia e deixar entrar a luz natural para aquecer a casa, e fechá-las à noite para reduzir a sensação de frio provocada pela baixa temperatura das janelas.
  2. Assegure-se de que todas as janelas e portas estão devidamente isoladas para prevenir a perda de calor.
  3. Nos eletrodomésticos, é recomendável manter o termóstato do frigorífico entre os 4 e os 6 °C e o do congelador em -18 °C; uma diferença de apenas 1 grau no congelador pode gerar um aumento do consumo entre 6 e 8 %.
  4. Os equipamentos continuam a consumir energia quando estão em standby. Uma forma simples de poupar energia é desligá-los e utilizar uma extensão com interruptor. Esta medida pode contribuir para uma redução de 10 % no consumo de energia e assegurar uma fatura mais económica. Até um carregador de telemóvel deixado ligado na tomada consome energia, por isso é preferível desligar todos os equipamentos eletrónicos quando sair de casa por períodos mais longos.
  5. A iluminação eficiente por LEDs pode permitir uma poupança de até 10 euros por lâmpada por ano.
  6. Evitar tapar os radiadores e aquecedores com roupa ou mobília, uma vez que impedem o calor de circular livremente pela casa.
  7. O consumo de água pode ser facilmente reduzido com gestos simples, tais como fechar a torneira na rotina matinal (por exemplo enquanto lava os dentes), ou instalando cabeças de chuveiro com redução de fluxo. Esta última medida pode permitir a uma família de três pessoas uma poupança de até um metro cúbico de água em cada mês, ou seja, uma poupança de 45 euros em cada ano.

Em www.gastemenosemenergia.eu existem mais sugestões de eficiência energética que podem ajudar os portugueses a poupar até 20 % na fatura energética. Através destas sugestões simples, os consumidores podem reduzir o consumo energético e os gastos domésticos, sem comprometer o conforto. Os benefícios são inúmeros, desde a proteção ambiental e menor emissão de gases com efeito de estufa até à redução da utilização de água, com poupança também na carteira.

De acordo com a Agência Internacional de Energia, com um conjunto simples de medidas de eficiência energética e sem recurso às e novas tecnologias que irão naturalmente surgir nos próximos anos, é possível atingir mais de 40 % da redução de emissões necessária para atingir os objetivos de mitigação das alterações climáticas.

Em Portugal, esta iniciativa da Comissão Europeia começou em setembro de 2018 com uma exposição itinerante de eficiência energética que esteve em Lisboa e no Porto e que agora continua online. A iniciativa dirige-se aos jovens, crianças e os seus professores, visando contribuir para a formação de hábitos de eficiência na utilização da energia, água e outros recursos.

Para assegurar um maior alcance e eficácia, esta iniciativa tem o apoio das principais organizações na área da energia e direitos do consumidor em Portugal, tais como a Agência para a Energia (ADENE), a Associação das Agências de Energia e Ambiente (RNAE), a Agência de Energia e Ambiente de Lisboa (Lisboa E-Nova), a Agência de Energia do Porto (AdEPorto), o Centro de Investigação em Ambiente e Sustentabilidade (CENSE – FCT/UNL), a Direção Geral do Consumidor (DGC), a Direção Geral de Energia e Geologia (DGEG), a DECO, a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), o Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC), os Municípios de Lisboa e Porto. Esta iniciativa também se encontra a decorrer na República Checa, Roménia e Grécia.

Para mais informações:
www.gastemenosemenergia.eu

 

Share